Artigos

moreno

Tentaram acabar com o Democratas de todas as formas: Lula disse que era preciso “extirpar o DEM da política brasileira”, Kassab traiu o partido e criou um novo levando grande parte dos nossos deputados, dois de nossos líderes foram acusados de corrupção e prontamente EXPULSOS do nosso partido e até inventaram um ranking FALSO do TSE colocando o Democratas como o partido mais corrupto do Brasil.

Diminuímos de tamanho, alguns nos esqueceram e renegaram, mas estamos voltando. Estamos voltando porque, mesmo na dificuldade, os bons ficaram. Estamos voltando porque, mesmo quando parecia que iríamos desistir e nos fundir com outro partido, resistimos. Estamos voltando por respeito à boa política e a nomes que nos honram e nos fazem grandes: Aleluia, Caiado, Mendonça, Rodrigo, Cesar, Marco, Onyx, João Alves, Priscila Krause, Agripino, Efraim Filho, ACM Neto, etc acreditaram que era possível seguir adiante.

Entrei na juventude desse partido quando ele dava toda pinta de que ia encolher, mas eu preferi acreditar. Acreditar nas minhas convicções, acreditar na política, mesmo quando falar de política era chato, repugnante e retrógrado. Não era assunto pra jovem. Preferi acreditar no respeito e admiração declarada que tinha por ACM Neto quando ele era deputado e a CERTEZA do grande prefeito que ele seria. Acertei.

Resolvi caminhar na política porque via no PT tudo (ou quase tudo) aquilo que ia para o lado oposto do que eu pensava. Vi o agigantamento do estado, o aparelhamento da máquina pública, uma estatização errada dos serviços públicos, o aumento absurdo na taxação dos impostos, a elevação dos juros, a diminuição do poder de compra das pessoas e, claro, uma corrupção endêmica que degradou e continua degradando o país.

Chegamos ao processo de impeachment e chegamos também a um período importante da nossa história. A juventude parou de criticar quem gosta de política, ou melhor, passou a ser protagonista dos debates (de ambos os lados). O Brasil passa por um momento de efervescência democrática importantíssima. As redes sociais viraram palcos de mais democracia e isso é lindo, quando se respeita as opiniões contrárias. Mesmo que não concorde.

Dilma cometeu crime. Isso é inequívoco. Crime sem impeachment é golpe. As chamadas pedaladas fiscais não se resumem a uma simples estratégia para estancar a crise. Elas se configuraram um estelionato eleitoral, pois foram feitas para passar uma falsa impressão de normalidade econômica que não existia, foram feitas de forma premeditada, a sangue frio, por aqueles que buscam uma perpetuação no poder. Passada a eleição o brasileiro sofreu o dobro (ou o triplo) do que sofreria se estivesse ciente do que estaria por vir. Aumento dos juros, aumento da gasolina, aumento e criação de novos impostos, aumento do dólar, aumento das contas de energia, crescimento do desemprego, fechamento de empresas e a tão temida volta galopante da inflação.

Entendo e respeito (mas não concordo) quem defende esse governo. Entendo que Michel Temer não é a solução pra todos os problemas (mas vocês votaram nele), entendo que o processo foi comandado por uma figura triste do nosso país que deve perder o seu mandato e ser julgado sem foro privilegiado, Eduardo Cunha (o que não exclui o teor do processo), entendo que muitos que votaram “sim” ao processo de impeachment são figuras retrógradas que não “nos representam” (mas lembrem-se das figuras “bacanas” que votaram “não”: José Guimarães, o homem do dinheiro na cueca, lembra?). Realmente eu entendo essas questões.

Confesso que ouvir “Fascista”, “Racista”, “Golpista”, “Sexista”, “Misógino”, “Analfabeto Político”, etc tratando quem é contra o governo de uma forma soberba e arrogante me deixa triste, mas entendo.

Hoje completo 4 anos de partido e digo SIM ao impeachment, SIM ao voto de Aleluia, SIM ao voto de Paulo Azi, SIM ao voto de Mendonça Filho, SIM ao voto de Rodrigo Maia, SIM ao voto de Onyx, SIM ao voto de Efraim, SIM aos 28 Democratas na Câmara dos Deputados.

Também digo SIM à redução dos impostos, digo SIM ao empreendedorismo, digo SIM à legalidade. Digo SIM aos Democratas desse país inteiro, partido que não se vendeu, que lutou e voltou.

Lucas Moreno é Vice-Presidente da Juventude Democratas da Bahia