Artigos

Manifestação pela educação?; por Bruno Alves

O governador Rui Costa (PT) corta salário de professor grevista, não dialoga com a categoria, acusa movimento de ser político, mesmo sabendo que a maioria são seus pares, e quer cobrar mensalidade em universidade pública. Se um político de centro-direita realizar esse roteiro a esquerda entra em histeria coletiva.

Em suma, os manifestantes baianos que foram as ruas contra o governo federal estão esperando o que para ir às ruas contra o governador Rui Costa? Companheiro pode? A manifestação foi personalista, ideológica ou em defesa da educação?

Na verdade nós já temos a resposta. O populismo é a principal ferramenta da esquerda, eles buscam agradar a maioria, mesmo que esse movimento gere prejuízos. Quem é a maioria quando se fala em cobrar mensalidade nas universidades públicas para os “ricos”? Justamente quem está do lado de fora.

É crucial que os partidos políticos não desistam de suas agendas por tempestades e ruídos de movimentos orquestrados para inviabilizar o sucesso da agenda oposta. Para essas aves agourentas não importa a conta, não importa o sofrimento da população, o importante é inviabilizar.

Qual a minha opinião sobre a proposta do governador? Não tem como discordar. É uma forma eficiente de majorar o orçamento da instituição, mas, é claro que essa mudança não irá extirpar todos os problemas enfrentados pelas universidades públicas.

Há um ponto que deve ser enfrentado, o patrimonialismo ideológico. As universidades públicas precisam aprimorar seus princípios administrativos e iniciar uma nova gestão publica (new public management). Buscar maior eficiência dos serviços ofertados, na avaliação de desempenho e no controle de resultados.

Bruno Alves é Secretário Geral da Juventude Democratas Brasil